quinta-feira, 12 de julho de 2018

MUDAR? MUDEI! MUDANDO ...


O ComsaltoeAsas foi criado em 2012 com o registro de viagens solo desde 2003, quando comecei a viajar sozinha.
A marca atual retrata um momento de vida muito especifico que conversava com mulheres que, como eu, estavam na faixa dos 30 anos e recomeçando momentos de vida: âmbito pessoal e profissional.
As viagens solo começaram como uma forma de encontrar outros significados e ter experiências que me ajudassem a conduzir um modelo de vida pessoal independente de companhias. Viajar sozinha não era a única opção de viajar, mas era uma iniciativa de não ficar sem viajar por falta de companhia.
A primeira viagem solo foi para Espanha e esse destino que me levou à voos mais longos em todas as perspectivas de vida.  Retornei à Espanha 5 vezes.  A cada vez, um novo olhar, uma nova descoberta e a certeza que sempre há um lar fora do lar.
Ser viajante é descobrir que os mesmos lugares mudam, você muda ou, na verdade, o tempo te dá sempre um novo olhar. Mudar é inevitável e certo. Resistir ou desfrutar é escolha.
Quando fui ao Chile fiquei muito tempo sozinha. 
Sentia muito por não ter com quem compartilhar tanta beleza e o Chile me marcou na solidão e me mostrou que experiências são as melhores coisas que se pode trazer de um destino.
Depois de algumas viagens, a vontade de inovar e ir mais longe foi aumentando! Queria algo bem diferente e impactante para me testar. Fui à Turquia apavorada e voltei encantada. Me encantei comigo mesma, minha capacidade de realizar e com tudo que aprendi. Sua história, seu povo, suas dores e a importância de entender uma cultura tão diferente da minha.

 Depois fui à Itália e descobri que viajar sozinha não quer dizer estar sozinha. Lá conheci 2 outras mulheres viajando sozinhas e companheiras de viagens solo, fizemos pontes, compartilhamos bons momentos e nos tornamos companheiras de vida e descobertas. Aos poucos fui me tornando mais viajante. O que antes era apenas viajar sozinha para algum lugar foi se convertendo em pontes construídas naturalmente. Conversar, conhecer, perguntar, desbravar.


Tornei-me mais companheira para mim e para outros. Novos motivos para viajar, novos grupos sociais e já não era assustador “experimentar” o novo e descobrir afinidades.  Se viajar sozinha para já turismo era bom, imagine viajar para praticar um hobby com o grupo de afinidade?  E se o destino for totalmente inusitado? Melhor ainda. Ushuaia e El Calafate surgiram para uma corrida de aventura com um grupo especial de novos amigos, quando entrei para uma assessoria de corrida. E isso só foi possível porque eu me permiti novas experiências, criando novas oportunidades de amizades.
O habito de descobrir já estava inerente ao meu dia-a-dia. Poderia ser um país novo ou sair para um lugar perto.  Comecei a olhar ao redor. Se eu posso viajar sozinha rumo ao desconhecido, eu posso viajar bem e sozinha rumo ao conhecido. Seguia viajando pela vida, mesmo quando estava no meu lugar comum. Morei um tempo no Rio Grande do Sul e conheci lugares que transformaram minha forma de ver a vida!  Pequenas fugas de fins de semana e encontrar um mundo desconhecido repleto de “novas vidas”: Cambará do Sul e São Migueldas Missões foram desbravadores e apaixonantes. 
E o ComSaltoeAsas representava bem essas questões que foram sendo descobertas e me redefinindo como viajante, como mulher, como amiga, irmã, filha...
Um salto alto imponente e determinado com asas. Demonstra elegância, estilo, leveza, porém pouco movimento. As asas são sutis.
Ao longo desses 15 anos, a evolução era incontestável e meu perfil de viajante mudou. Adquiri mais confiança e as minhas necessidades eram por mais simplicidade e leveza: liberdade.
Não cabia mais uma urgência de “mostrar capacidade” e “ocupação de um espaço”, mas uma vontade de compartilhar a liberdade de escolha e a flexibilidade de ir e vir sem medos e restrições. Não era mais uma questão de “força” e sim “determinação”. 
 Hoje me vejo com menos salto e mais asas. Menos terra e mais ar. Menos “posicionar e defender” e mais “ser e praticar”.  A caminhada abriu outras portas a partir das experiências de viagens e o ComSaltoeAsas não é mais somente sobre viagens solo, mas sobre “mudar, reconstruir, reinventar e também, viajar".

Antes, viajar era apenas para me testar mais longe e sozinha, mas agora é uma questão de dosar minha velocidade e ansiedade em trilhar por onde não há trilhas ainda!
Os saltos eram para mais longe e de passos mais largos. Fui percebendo que para isso precisava estar mais leve. Precisei esvaziar.  
Já não me cabia tanto o “salto” que me dava um espaço seguro em “terra firme”, mas necessitava de abrir mais as “asas” . O Peru foi um destino decisivo para essa mudança!  Não carregue peso! Caminhe sempre. Ouça, observe, reflita. Transforme o que não serve mais. Livre-se de sentimentos que não somam, abrace a vida com simplicidade. Mude!
E o salto ainda tá lá com mais delicadeza. Ele me dá a terra quando preciso e me impulsiona quando deve. E as asas tornaram-se mais presentes, tem mais direção, mais força e me levam para mais longe.
E sabe aonde encontrei a certeza de que não há limite e nem tempo para mudar?
Lá na casa da ponte, aonde Dona Cora, na Cidade de Goiás, recomeçou.
E por isso o ComSaltoeAsas mudou. E para mudar, há que que se recriar, sempre, sempre.
E assim começa um novo ciclo de vida, de experiências e autoconhecimento.  Não falo mais com “convicção” do que é melhor ou pior para empreender uma viagem solo. Sabe porquê? Porque muitas convicções nos paralisam e nos cegam de outras possibilidades.

O ComSaltoeAsas agora quer falar de opções e liberdade para você escolher a “sua” forma de viajar, de acordo com seu momento de vida, seu perfil, seus desejos. Medos e insegurança são resolvidos aos poucos. Cada um tem um tempo de decisão.
  
O caminho que o ComSaltoeAsas trilhou até o momento contempla toda uma história de vida pessoal que hoje concentra formas flexíveis de se planejar e decidir, mais do que sugerir um único roteiro, numa única forma de viajar.

Seja bem-vinda à mudança e que você encontre seu lugar nesse novo momento do ComSaltoeAsas.  O que mais aprendi nesses 15 anos de viagens?
Mudar.




Um comentário:

  1. Amei a materia, amei a nova roupagem! Acredito muito no poder diario da autotransformaçao! Como sempre, vc me inspira! Grande beijo!

    ResponderExcluir

Agradeço seu comentário. Andrea Pires

Visite Brasília

Andrea Pires

Blog Com Salto&Asas, um lugar onde compartilho memórias das viagens que mudaram minha vida, mas também inspiro mulheres que queiram experimentar a vida e sua própria companhia! Planejar, Sonhar e Realizar. Assim é que me sinto com o Mundo nas Mãos! Para contato direto comsaltoeasas@gmail.com

Cadastre seu e-mail

Tags

Adquira aqui seu e-book