segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Vila de Santo Andre/BA – Sobrenome: P-A-R-A-I-S-O

Se perguntarem onde fica o paraíso, ele tem nome: Vila de Santo André
Mesmo com a amarga lembrança do 7x1 da Alemanha no Brasil, na Copa de 2014, na Vila de Santo André, a gente esquece esse jogo e entende perfeitamente porque o time alemão estava tão determinado a ganhar: foi aqui que a seleção alemã aterrissou e se apaixonou pelo Brasil!
A chegada é por Porto Seguro e o acesso é por Santa Cruz de Cabrália. Nem preciso discorrer sobre a costa do descobrimento, porque seria chover no molhado e repetir o que todos já sabem ou imaginam!
A Bahia é um mundo de surpresas e a cada retorno, uma nova descoberta. A Vila de Santo André é uma dessas que pede “segredo”, pois o sentimento é de querer guardar esse pedaço do paraíso bem escondido.  Lugar preservado, rustico e sem nenhuma ambição de evoluir para algo mais turístico e urbano. E o mundo agradece!
Esse destino recebe pessoas que lá se refugiam na busca de tranquilidade, privacidade e boas conversas. Muitas mulheres sozinhas, entre amigas, algumas visitantes frequentes e outras que  vivem há algum tempo na vila. Todas com uma vontade imensa de viver e que recarregam suas energias em Santo André para retornarem à labuta da cidade grande. Mulheres com histórias belíssimas e que chegaram numa fase da vida onde só desejam simplesmente viver o lado bom. Um verdadeiro refúgio. 

Porto Seguro, Santa Cruz de Cabrália rumo a Vila de Santo André
É em Santa Cruz de Cabrália – Porto Seguro -  cidade histórica da Bahia, onde foi realizada a 1ª. Missa após o descobrimento em 26 de abril de 1500, na praia de Coroa Vermelha. Bastante agitada com aquele tempero baiano de pura alegria. Destino certo para turistas que querem movimento e extensão de Porto Seguro. Para chegar na Vila de Santo de André tem que ser pela balsa, num percurso de dez minutos e logo após a travessia, o agito de Santa Cruz de Cabrália fica no esquecimento. Por ser tão escondidinha não tem grande infraestrutura. 


São 13 km de costa com praias inexploradas, compartilhadas com rio e mar. A Vila faz parte de uma área de proteção ambiental, da APA Santo Antônio, cercada por mata Atlântica. À primeira vista parece uma narrativa de Jorge Amado: coqueiros adornando as praias, vento leve e preguiçoso, brisa suave que nos convida a “acalmar” a mente e até mesmo a fazer uma oferenda para Iemanjá.

Pousadas e gastronomia


A Vila tem na sua história o momento de glamour por ter sido a base da seleção alemã na copa de 2014. O hotel Campo Bahia, onde a seleção ficou hospedada, virou ponto turístico. E para aqueles que querem luxo, é lá mesmo!
Na rua principal e (atenção!) não asfaltada, existem opções de hospedagem mais acessíveis, sem perder em nada a riqueza do lugar. Todas as pousadas têm braço no rio ou no mar.  E muitas das pousadas são pontos gastronômicos, abertos ao público em geral. Ou seja: cada dia pode-se desfrutar de um restaurante diferente. A Pousada Corsário com o restaurante El Floridita. A pousada Araticum, Victor Hugo, Costa Brasilis e por aí vai!

A pousada Ponta de Santo Andre é um refúgio para quem quer mais tranquilidade ainda. Ela fica na beira do rio. Tem também espaço para yoga e meditação. O café da manhã é maravilhoso. Verão e inverno, é temporada de workshop de yoga à beira do rio.
A gastronomia é um luxo! Além dos restaurantes das pousadas, a vila oferece opções deliciosas, como Aroeira, Almescla e o restaurante Gaivota tem a vista do encontro do mar com o Rio. Saindo de Santo André para Guaiú tem que conhecer comida da Maria Nilza. Só conhecer a Nilza, já vale a visita: ô pessoa linda e simpática!
Às tardes, não deixe de ir na Oficina do Sabor e se deliciar com as cocadas, fica bem em frente à  igreja de Santo André. E essas cocadas são os melhores presentes para se levar para casa.
A Vila e a rotina.
As ruas são de terra e a principal pode ser percorrida rapidamente. Em apenas algumas horas, é possível estabelecer contato e entender o ritmo das pessoas. Em questão de dias, você conhece todos pelos nomes. Em semanas, você já é nativo e faz parte da história da vila. Não tem centrinho, não tem shopping e o comércio é básico: comida, bebida e uma loja na rua principal que vende de tudo!
Tudo conspira a favor do não fazer nada além de relaxar em frente ao mar: não há agência bancária, serviços ou posto de combustível. Internet é luxo e totalmente desnecessária. Na bagagem?  Livros, músicas, pouquíssimas roupas, biquínis e chinelo!
A extensão da vila é o mar. Inclusive, a maior parte das atividades esportivas são na água mesmo: aulas de stand up, natação, mergulho, hidroginástica, passeios de barco. Sair de barco com o grande filósofo Carlindo é obrigatório. Um nativo que conhece todos os caminhos do rio e do mar, além de ser grande conhecedor de vida e possuir um mundo de informações sobre a natureza humana! Quanta coisa ouviu de tantas pessoas diferentes. Carlindo é filósofo e bruxo: consegue ler cada um que entra no seu barco. E a simpatia dele é contagiante. A vontade é ir todos os dias com ele para o mar. Para quem é praticante de corrida, é só ficar de olho na maré que a extensão de areia permite correr muito, se a preguiça deixar!
O clima é para estar na praia de pés no chão a qualquer hora, andando de bicicleta, passeando pelo rio, ou fazendo aquela preguiça numa rede, ouvindo música, lendo um bom livro. A Bahia tem lugares assim que ainda não foram descobertos pelo turismo de massa. O fluxo de turistas é pelo “boca-a-boca”. Esse roteiro é bem acolhedor para ir sozinho, com amigos, famílias, casais, desde que não se busque agitação e estrutura nas praias como em cidades maiores.

A única agitação é quando os barcos de passeios vindos de Porto Seguro ou Santa Cruz de Cabrália chegam à praia para passar o dia e atracam num ponto da praia com barracas de apoio.
Essa mistura que na Bahia tem: mar com rio, clima e a simpatia do baiano parece ser simples, mas é tudo que buscamos para repensar nossa rotina. Na Vila de Santo André é uma excelente oportunidade de refletir sobre escolhas de vida e retornar para casa com mais vontade de simplifica-la.
Em Santo André, viagens de amigas tornam os laços mais estreitos e, se for sozinha, um encontro de luxo com você mesma. Mas atenção, mesmo viajando sozinha, em Santo André, nunca estará sozinha.






2 comentários:

  1. Perfeito seu relato... Vila de Santo André é assim mesmo... volte sempre e nos acompanhe no @santoandredabahia, no https://www.facebook.com/santoandredabahia/ e ainda no www.santoandre-bahia.com...

    ResponderExcluir
  2. obrigado pela gentileza em acompanhar os textos do ComSalto&Asas! Santo André agora é minha casa!!!! voltarei sempre.

    ResponderExcluir

Agradeço seu comentário. Andrea Pires

Visite Brasília

Andrea Pires

Blog Com Salto&Asas, um lugar onde compartilho memórias das viagens que mudaram minha vida, mas também inspiro mulheres que queiram experimentar a vida e sua própria companhia! Planejar, Sonhar e Realizar. Assim é que me sinto com o Mundo nas Mãos! Para contato direto comsaltoeasas@gmail.com

Cadastre seu e-mail

Tags

Adquira aqui seu e-book