terça-feira, 7 de março de 2017

Pireneus Vinhos e Vinhedo - Uma Intrépida Vinícola nos Pireneus - GOIÁS

Pertinho de Brasília, cerca de 100 km e no Goiás, tem vinho!
Intrépido e arrebatador. Uma brincadeira de bom gosto. E assim como foi a entrada dos Bandeirantes, Marcelo e Adriana, desbravaram o “terroir” desse cerrado para “fincar” o Bandeiras, ainda tão jovem e já premiado. E dessa brincadeira bem séria vem chegando o Terroir Pireneus para compor a família. Só tem gente forte!
Imagina se essa ideia fosse pensada há 50 anos atrás? Seria “i-m-p-o-s-s-í-v-e-l”, pois não há clima, terroir, estrutura e possibilidades - seria essa unânime opinião. Só um louco apostaria nisso e graças a Deus, temos loucos inovando, empreitando, criando e acreditando...o mundo já teria acabado sem os loucos! Desbravar atrai simpatizantes otimistas, assim como atrai descrentes pessimistas. Por isso, recomendo: há que se comprovar pessoalmente. Visite a Vinícola!


A vinícola é jovem, nasceu em 2004 e percorreu um árduo caminho entre tentativas de cultivo das uvas, adequações tecnológicas, bem como as adaptações do know-how de outras regiões no meio do cerrado.
Os vinhos produzidos são: Bandeiras, Intrépido e Terroir Pireneus. O Bandeiras é produzido com a uva italiana Barbera e recebeu o nome em homenagem aos bandeirantes, que descobriram a região onde as uvas são cultivadas. O Intrépido é produzido com uvas francesas syrah e o nome é uma homenagem à iniciativa em produzir vinhos em uma região improvável. O Terroir é o caçula.
E para abrilhantar, tem um Rosê que só aparece de vez em quando por causa da safrinha em fevereiro. Ainda sem nome pois tem uma participação especial e fora do circuito comercial. Somente lá é possível experimentá-lo!
A Vinícola

A fazenda Santa Rosa, onde fica a vinícola é a cara do cerrado!
O acesso é simples e bem orientado pela Adriana, que envia até mapa. Saindo de Brasília, sentido Aguas Lindas e antes da cidade de Cocalzinho, a entrada para a fazenda é quase em frente da Lagoa do Samuel. Acessando a estradinha de terra, é só seguir as placas com o nome da Fazenda Santa Rosa. São, aproximadamente, 7km de estrada terra. E para quem já foi a Pirenópolis ou na Chapada dos Veadeiros, a característica é a mesma: terra, descida, cascalho.

A recepção é na varanda onde é servido o menu degustação. A Adriana nos conduz a história da vinícola, do sonho, do começo, das dificuldades de produção, dos desafios, enfim...um bate-papo de amigos. Parece que nos conhecemos há tempo.
Após a chegada dos visitantes (turma completa), seguimos para o passeio nas plantações, sob os cuidados da Adriana e dos detalhes que ela conta sobre cada experimento, sobre as uvas, sobre a terra e sobre o clima. Porque essa região é boa para produzir vinhos? Pela seca e pelo frio que cai nos Pireneus à noite...claro que não é tão simples assim, mas é possível...taí a vinícola para comprovar.

O período de colheita é agosto/setembro. As uvas são colhidas de madrugada para mantê-las em temperatura bem baixa e são transportadas para a cidade de Cocalzinho onde está a produção.
O local tem uma capacidade de receber até 20 pessoas. E sempre com reserva antecipada, por favor!
Depois da visita, um Menu Degustação harmonizado com os vinhos. A própria Adriana é a chef e prepara o cardápio que, por sinal, é tão impactante quanto os vinhos. O show fica por conta da simplicidade elegante que somos recebidos. O esmero, o cuidado, o capricho, enfim...coisa de quem sabe cuidar bem do que é importante. E lá o visitante se sente assim. Não é só uma degustação, é uma experiência rica da história da vinícola.
Depois da degustação, é possível adquirir vinhos na lojinha da vinícola. Mas atenção: tem que ser em dinheiro ou cheque.   


Sinto que daqui a 10 anos, quando alguém lembrar que tudo começou com uma ideia inovadora e considerada “surreal”, os mais jovens não entenderão, porque para eles será óbvio que a região produza vinhos.
Algumas dicas e sugestões:
  • A estrada é muito bem sinalizada. Utilize o mapa e algum aplicativo de mapa (se houver). Por ser estrada de terra (7km), atenção ao tipo de carro.
  • O local não é adequado para crianças.
  • O Menu Degustação é previamente programado. Não é restaurante. Se há algum inconveniente com o cardápio, avise com antecedência.
  • O local é acolhedor e organizado para receber as visitas agendadas. Não recomendo aparecer de surpresa.
  • Em Brasília, os vinhos são encontrados nos Restaurantes “Bloco C” e “D.Francisco” e no Espaço Vino – 306 sul.
  • Por ser degustação, decidimos alugar um carro com motorista. É mais prudente não dirigir.
  • Se não tiver um grupo fechado e for sozinho, recomendo o site www.experimentebrasiliacom.br que organiza roteiros para vinícola.
  • Os valores cobrados são bem adequados ao que se propõe de degustação. Nada exorbitante e bem dimensionado.
  • A Vinícola até indica um transporte quando da reserva, é só solicitar.
  • Para maiores informações e agendamentos, é só entrar em contato pelo email pireneusvinhos@gmail.com



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço seu comentário. Andrea Pires

Visite Brasília

Andrea Pires

Blog Com Salto&Asas, um lugar onde compartilho memórias das viagens que mudaram minha vida, mas também inspiro mulheres que queiram experimentar a vida e sua própria companhia! Planejar, Sonhar e Realizar. Assim é que me sinto com o Mundo nas Mãos! Para contato direto comsaltoeasas@gmail.com

Cadastre seu e-mail

Tags

Adquira aqui seu e-book