sexta-feira, 24 de março de 2017

São Jorge – Nossa Chapada dos Veadeiros – Alto Paraíso – GO

“Eu andarei vestido e armado com as armas de São Jorge para que meus inimigos, tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me vejam, e nem em pensamentos eles possam me fazer mal. Armas de fogo o meu corpo não alcançarão, facas e lanças se quebrem sem o meu corpo tocar, cordas e correntes se arrebentem sem o meu corpo amarrar.”
É São Jorge, nossa Chapada, meu povo!!
Um refúgio paraíso pertinho de casa (aproximadamente 220km de Brasilia), privilégio de quem mora no centro do país e para quem é de Brasília que pode levar os amigos turistas para um salto dentro do sol, dentro do cerrado: São Jorge, a vila,  e a Chapada dos Veadeiros!!!
Coisa antiga....muito antiga...que estima-se ter se formado há 1 bilhão e 800 milhões de anos. Considerada o ponto de maior luminosidade visto da órbita da Terra, segundo a NASA (fonte: internet/Wikkipedia).

Esplendorosa! Sim...a nossa Chapada (que abrange São João d'Aliança, Alto Paraíso de Goiás, Colinas do Sul, Teresina de Goiás e Cavalcante) é um cerrado a perder de vista com atrativos rústicos e naturais. O visitante tem que gostar da natureza crua, das árvores tortas, da vegetação agressiva, do vento quente da seca do cerrado, do silêncio que arde.
Há 20 anos a visito. Minha parada é na Vila São Jorge (Alto Paraíso), onde está Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Tem hospedagem para todos os gostos: sozinha, casais, amigos, família....cada pousada com seu encanto. Gosto de ir na época da seca, pois na época das chuvas algumas trilhas são proibidas. As noites na Vila São Jorge têm suas surpresas. Pode-se desfrutar dos restaurantes locais (muitos com uma musiquinha de MPB) ou acertar o sábado que terá o Forró no Cavaleiro de Jorge e se esbaldar com os nativos que sempre recebem com carinho cada visitante, além dos eventos programados: Festival de Inverno, Encontro de Culturas, Dia de São Jorge, etc....
Ir São Jorge é se despir dos padrões: esqueça completamente a “beaute”. Leve o mínimo possível e se surpreenda como a natureza embeleza. Os dias podem ser muito quentes e as noites sempre frias. Distancie-se do celular, do computador, do trabalho....só se vive a Chapada se esquecer a rotina da cidade.
Um pouco da história desse paraíso....
Quando ainda não se chamava Alto Paraíso, já era habitada pelos índios Cayapós, Xavantes e Guayazes. Depois chegaram os bandeirantes e escravos fugidos. Abrigou uma fazenda e se tornou um povoado de lavradores pois a exploração de ouro na região atraía muita gente. Com o povoado crescendo, a agricultura (principalmente trigo e café) e a pecuária, a região foi transformada. Assim nasceu Cavalcante (1740) e conta-se que os primeiros grãos de trigo foram trazidos por ciganos (vindos do Egito). Foi nessa fazenda que nasceu Alto Paraíso. O povoado de São Jorge, distrito de Alto Paraíso é a porta de entrada para o Parque nacional da Chapada dos Veadeiros.  A terra, rica em cristais, foi tomada de garimpeiros (após a segunda guerra mundial o cristal era muito procurado para a produção de material bélico) e o solo rico nos cristais é um ponto de convergência enérgica, muito utilizado em pesquisas. Ainda hoje, em algumas trilhas, é possível ver resquícios do cristal no solo. A partir de 1989 o povoado da vila de São Jorge começa a despontar no turismo em decorrência do misticismo e do espiritualismo que se desenvolveu na região. Alto Paraíso também é conhecido por ser um santuário místico, exotérico e espiritualista porque sua localização coincide com o Paralelo 14, que passa em Machu Picchu, no Peru. 


Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros
Inicialmente eram 625 mil hectares, cobrindo toda a Chapada, hoje conta com somente 65 mil hectares (10%) O rio que drena o Parque Nacional dos Veadeiros é o Rio Preto, afluente do Rio Tocantins. No Parque, as trilhas e cachoeiras mais conhecidas são:
Saltos do Rio Preto: trilha de 6km, chegando primeiro ao Mirante do Salto de 120 metros. Pausa para as tradicionais fotos e segue-se por uma trilha que em alguns pontos margeia o Rio Preto até a cachoeira de 80 metros.
Cariocas: uma grande cachoeira cai espalhada em forma de anel numa cortina de mais de 20 metros de largura e uma piscina que se forma que tem mais de 20 m de profundidade.
Cannyon I/II: visitação somente na época das secas, pois um trecho do caminho se faz por dentro do rio, por isso o acesso fica proibido na época das chuvas. Trilha de aproximadamente 5 km.
Fora do parque há uma infinidade propriedades particulares abertas ao publico com cachoeiras e trilhas de percursos mais acidentados ou mais acessíveis. O ideal é buscar orientação e dicas com quem já foi ou na Pousada que esteja hospedado. Seguem algumas sugestões:
Cachoeiras Almécegas I/ Almécegas II : Na direção da Fazenda São Bento, cerca de 4 km de estrada sem asfalto e a trilha de 1,5 km até a cachoeira que tem duas subidas e duas descidas.
Águas Quentes: Ótimo para descanso. São piscinas artificiais com acabamento rústico e de pequena profundidade que permitem um agradável e relaxante banho de imersão, acessível para todas as idades.
Morada do Sol: Cachoeiras e piscinas rodeadas por lajes de pedras muito agradável para banhos. Caminhada fácil, por uma trilha de 1,5 km em terreno mais ou menos plano. Fica a 6 km do Povoado de São Jorge,
Raizama: Trilha de aproximadamente 1,5 km, chega-se à primeira cachoeira, parada para refrescar e segue a trilha pela margem do Córrego Raizama até na mais deslumbrante ainda Cachoeira que se encontra embaixo, com o rio São Miguel. Coisa de doido! Perigoso na época de chuva.
Vale das Pedras: Na direção de Raizama. Após a entrada, chega-se a uma choupana onde pode-se comprar bebidas e petiscos. Alguns metros à frente, uma prainha perfeita para a preguiça. E se quiser empreender trilhas, são 2kms de subidas e descidas em lugares paradisíacos.

E por fim, o Vale da Lua: um dos lugares mais fantásticos do Brasil. A visão é parecida com a paisagem da lua. As rochas de cor acinzentada mudam de tonalidades de acordo com a luz do sol. O Rio São Miguel aparece e se esconde entre as rochas desenhadas em vários formatos. Lugar lindo e perigoso... não brinque no Vale da Lua, as pedras submersas podem se transformar numa armadilha...não confie. Na época das chuvas, as trombas d’água surpreendem. Além dessas, tem muito mais opções de trilhas e passeios maravilhosas e intensas.
Depois das trilhas, a volta é de muita fome e a parada certa são os mais tradicionais restaurantes da Vila: da Teia e da Nenzinha. E tem que entrar no clima exotérico e espiritualista: programe massagens terapêuticas que podem ser agendadas na própria pousada.

O cerrado é assim: para descobrir sua beleza tem que desbravar para renovar-se. E se chegou lá e viveu tudo isso, não se esquece de dedicar seu dia a São Jorge!
Por fim, algumas dicas para quem vai pela 1ª. vez:
-Dinheiro: alguns locais até aceitam cartões, mas o ideal é dinheiro, pois não há caixas eletrônicos na Vila São Jorge.
-Nas caminhadas: roupas leves, boné/chapéu, calçados confortáveis para trilhas, agua e lanche leve.
- Protetor solar e repelente são itens obrigatórios
- Procure acessar os locais com um guia cadastrado na Associação dos Guias e siga as orientações de quem vive ali diariamente. Eles são muito bons em historia, botânica e indicações de diversão.
-As caminhadas podem ser curtas ou longas, em terreno acidentado...esteja preparado!
- Máquina fotográfica, filmadora, tablets...tudo que você quiser para nunca mais esquecer esse paraíso!!!! Mas desconecte-se...use-os para o registro de imagens.
- Cuidado com crianças: as trilhas requerem atenção e as cachoeiras e rios muito mais!
- O período da seca é o mais forte e de cerrado mesmo. Não há restrições nas trilhas. No período das chuvas algumas trilhas ficam inacessíveis. Entre julho e agosto aí sim é que o cerrado fica com cara de cerrado!!!
E por fim: volte sempre à são Jorge. Um ritual de celebrar a vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço seu comentário. Andrea Pires

Visite Brasília

Andrea Pires

Blog Com Salto&Asas, um lugar onde compartilho memórias das viagens que mudaram minha vida, mas também inspiro mulheres que queiram experimentar a vida e sua própria companhia! Planejar, Sonhar e Realizar. Assim é que me sinto com o Mundo nas Mãos! Para contato direto comsaltoeasas@gmail.com

Cadastre seu e-mail

Tags

Adquira aqui seu e-book