terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

OLINDA – PE – Onde o Frevo acontece!

Ao som dos clarins de Momo
O povo aclama com todo ardor
O Elefante exaltando a suas tradições
E também seu esplendor
Olinda esse meu canto
Foi inspirado em teu louvor
Entre confetes e serpentinas
Venho te oferecer
Com alegria o meu amor
Olinda! Quero cantar a ti esta canção
Teus coqueirais, o teu sol, o teu mar
Faz vibrar meu coração, de amor a sonhar
Em Olinda sem igual
Salve o teu Carnaval! 
O Carnaval tá no sangue do Brasil!
Mesmo não sendo uma invenção brasileira, somos um país com muitas influências europeias e adotamos essa cultura indiscutivelmente! Até os mais calmos não conseguem ficar parados ao som de uma bateria de escola de samba, do frevo e do axé baiano. O meu carnaval é frevo e, como diz a musica, “.....quero sentir a embriaguez do frevo, que entra na cabeça, depois toma o corpo e acaba no pé!” Uma relação de mais de 25 anos que ainda rende muitas alegrias. Olinda está para o frevo, como o samba para o Rio. O carnaval de lá tem algumas peculiaridades e não existe nenhuma comparação com outros. Todos têm seu valor e graça. Recomendo esse roteiro no carnaval para quem quer e pode:
1.    Brincar na rua
2.    Usar fantasias engraçadas e personalizadas
3.    Aguentar o frevo e saber que irá ouvir as mesmas musicas milhares de vezes
4.    Tomar muita caipirosca de siriguela e comer arrumadinho e tapioca
5.    E o melhor de tudo: Gastar pouco! Pois não precisa de muito dinheiro para brincar o carnaval de Olinda...ele é para todos!
E os Holandeses e Portugueses chegaram em Olinda!
A cidade de Olinda tem a história encravada nas ruas e nas suas casas. Os nativos dizem que o nome "Olinda" apareceu numa frase de Duarte Coelho que foi o primeiro donatário da Capitania de Pernambuco – "Oh, linda situação para se construir uma vila!". Foi fundada em 1535 e já foi dos holandeses e portugueses. A arquitetura barroca do período colonial até hoje encanta o povo com suas ladeiras, igrejas, e claro, o carnaval. O Frevo, declarado Patrimônio Imaterial da Humanidade, tem sua origem na capoeira.  A palavra frevo vem de ferver, agitação, confusão, rebuliço...Quando se ouve Vassourinhas a multidão vai à loucura. O Maracatu vem do folclore afro-brasileiro e é formado por uma percussão que acompanha um cortejo real. Tudo isso numa mistura das culturas indígena, africana e européia. Diante desse pequeno cenário histórico, vou descrever a notável experiência desse carnaval tão reverenciado por Alceu Valença, que quando começa a cantar “Voltei Recife...foi a saudade que me trouxe pelo braço....”...vixi...o sangue ferve..o sangue freva!
Pousada dos 4 Cantos e o Centro Histórico
Esse roteiro foi definido em outubro e a primeira etapa foi a hospedagem. Nada melhor do que ficar “dentro” do centro histórico, onde o carnaval acontece 24 horas. A Pousada dos Quatro Cantos foi uma excelente escolha.É um casarão de estilo neoclássico do século XIX tombado pelo Patrimônio Histórico. Foi residência de comerciantes, do grande pianista Pedro Braga e do arqueólogo inglês Mr. Goolang. É muito especial e desde que o Sr. Marcos e a Dona Graça decidiram transformar o casarão em Pousada e Restaurante (1983), a história manteve-se viva. Destaca-se pela sua localização, arquitetura, gastronomia e, acima de tudo, pelas pessoas que fazem com que a estadia seja inesquecível. O aconchego e a beleza da pousada refletem no semblante das pessoas que lá trabalham e no carisma do Sr. Marcos e Dona Graça. O estilo rústico é preservado, aproximando o acervo e a arte do hóspede. Os apartamentos são muito confortáveis. O serviço é impecável. Todo ambiente rodeado por um jardim, piscina e a melhor vista do Centro Histórico. Além disso, a maioria dos blocos passa em frente à Pousada. A gastronomia é um capítulo à parte de tão saborosa. Além de tudo isso, a Galeria de Arte surpreende com toda sua graça e rusticidade. Para o período do carnaval, a proposta é bem interessante: visão privilegiada, quartos próximos para um descanso, café da manhã dos deuses, banda local animando enquanto blocos não passam, bebidas livre, buffet de comidinhas para manter a energia, massagem relaxante e um maquiador de carnaval....30 anos proporcionando essa alegria. Com toda a agitação do carnaval, perde-se um pouco de desfrutar o ambiente do século XIX, suas histórias e muita arte. Recomendo conhecer a Pousada também num período mais calmo aí sim....deixar o Sr. Marcos e Dona Graça mostrar o melhor desse recanto : sua memória.
Além das pousadas, as casas são uma atração à parte: servem de hospedagem para famílias e grupos e se transformam em blocos também. É comum cada casa ter um nome de bloco! 
O Carnaval
A programação para os dias de carnaval é intensa. É importante ficar atento às mudanças de transito que podem limitar o vai e vem de Olinda, pois já na 6ª. Feira que antecede o carnaval, não entram mais carros nas ladeiras. Não ache estranho se às 8 da manhã você encontrar famílias inteiras ou grupos de amigos fantasiados com muito esmero e criatividade. Ou então, você tomar um ônibus e senhoras subirem todas animadas com suas sombrinhas de frevo à mão e flores no cabelo.  













No sábado tem o Galo da Madrugada. Esse bloco reúne mais de 2 milhões de pessoas. Este ano fui de camarote. Nos anos anteriores fui seguindo a pé algum trio de frevo. É assim que começa..com o Galo...e seus mais de 50 trios de frevo...o problema é conseguir sair do Galo!!! Superado e sobrevivido ao sábado, é hora de programar os dias posteriores e seguir os blocos. Eles saem dos mais diversos locais e a pousada disponibiliza uma programação com os horários de saída e nomes dos blocos. Seguramente passarão pelos 4 cantos, pela Sé, pelo Varadouro ou pelo Carmo. As ruas do Amparo, Prudente de Moraes, São Bento e Bomfim são as mais frequentes passagens de blocos. O desfile dos Bonecos Gigantes tem a concentração no Alto da Sé, assim como o bloco Enquanto Isso na Sala da Justiça, o mais irreverente e um dos que mais arrasta multidões. É encantador a mistura de idades e classes sociais, todos representando algum tipo de super herói.  Aqui não tem cordão de isolamento, não tem briga, não tem perigo....mas tem muita gente...E os blocos têm os nomes mais irreverentes possíveis : Hoje a mangueira entra, Se concentra mas não sai, Ceroula de Olinda, Eu acho é pouco, Homem da meia noite, Já que tá dentro deixa, Patusco, Enquanto isso na sala da justiça, Vai quem quer, Esse cara sou eu, Antes aqui que na UTI, etc...... Não deixe de subir (pelo menos uma única vez) a ladeira da Misericórdia (o nome é altamente pertinente). A vista mais linda e mais sofrida de alcançar. Essa ladeira faz parte da maratona carnavalesca.























Para as crianças, na 2ª.feira, tem os blocos que saem de manhã e com a mesma intensidade. A galerinha se entrega ao frevo. O homem aranha já é uma atração turística. Ele fica de casa em casa, subindo e descendo, e ninguém sabe quem é ele! É surreal ver as igrejas ao fundo das ruelas e ladeiras que somente nessa época deixam de ser a visão principal e passam a ser a moldura da arte maior : pessoas seguindo sonhos com suas fantasias. E, quando menos espera... lá vem os bonecos ao som de vassourinhas....esse ano, o boneco do Ministro Joaquim Barbosa foi aplaudido e ovacionado. Ter uma personalidade representada num boneco de Olinda é uma homenagem sem precedentes. A piada central desse carnaval foi a ausência do boneco do atual prefeito, Renildo Calheiros (irmão do Renan Calheiros), sabe por quê? Ele vive tão ausente de Olinda que nem o boneco apareceu! E olha gente....eu vi...pessoalmente...a cidade histórica está largada...Olinda está judiada pela má administração. Infelizmente um acervo fantástico que é a porta de entrada para o Turismo. Um parêntese pessoal: conheço o carnaval de Olinda desde 1986. Sempre presenciei as piadas e fantasias sobre Brasília e a politica. Nosso povo sempre fez graça com a corrupção e o desleixo. Esse ano não se viu nenhuma piada sobre a situação crítica do país com relação aos escândalos políticos. Quero crer que o povo está se conscientizando de que esse assunto é muito sério e que não dá mais para brincar!!! Aqui vai meu respeito ao povo Olindense.


A minha recomendação para curtir bem o carnaval de Olinda é aproveitar os blocos pela manhã e utilizar a estrutura da Pousada para fugir da multidão, pois depois de meio-dia, as ladeiras ficam intransitáveis. Se tiver energia, à noite siga para Recife antigo onde o carnaval continua. Haja fôlego e pernas! Na quarta-feira de cinzas o carnaval não acabou. É hora do Bacalhau do Batata que desce a ladeira da Sé com toda energia e ressaca. Esse bloco foi concebido pelos garçons que trabalhavam no período do carnaval e não podiam brincar....bom...agora a história é outra...virou um super bloco.
Esse roteiro é simples e apaixonante que deve ser programado com antecedência para que o conforto da hospedagem e os custos fiquem compatíveis. A partir de setembro/outubro a Pousada dos 4 Cantos disponibiliza a programação, facilitando o pagamento para quem decide com antecedência. E o que levar na mala? Fantasias, protetor solar, tênis, shorts, camisetas, e claro, muita energia! É isso....dias de folia, dias de alegria e falo com muito conhecimento pois comecei em 1986 e hoje, 2013...ainda continuo fiel ao frevo. É lindo, no final da 3ª. Feira de carnaval, os blocos passarem cantando...é de fazer chorar, quando o frevo começa a acabar....ó 4ª. Feira ingrata, chega tão depressa, só para contrariar.. E uma ultima observação: curtir o carnaval com alguém da terrinha é mais que um presente? Esse ano minha mãe (Julia Andrade Lima) reviveu sua história e seus amigos na sua cidade e eu reencontrei uma amiga-irmã (Elizabeth Cunha) de mais de 25 anos de amizade. Impossível não ser feliz em Olinda e com pessoas tão amadas!




2 comentários:

  1. Caraaaca mto legal seu post. Mas confesso que cansei só de ler... como prefiro paz e tranquilidade, fiquei em BSB mesmo!
    Me amarrei nas fotos do pessoas vestido de personagens dos XMen!!!

    ResponderExcluir
  2. Ai prima, realmente deve ser um carnaval maravilhoso!!! Tirando a parada de trio elétrico, que agora tá invadindo o Rio de Janeiro e eu odeio, brincar em blocos é o que vale. Tivemos nosso momentinho "Olinda", no Morro da conceição, um reduto interiorano, em pleno centro da cidade. Belas fotos e feliz por saber que vocês se divertiram. Quem sabe, com a chegada da Isabela, eu consiga brincar um carnaval por lá????

    ResponderExcluir

Agradeço seu comentário. Andrea Pires

Visite Brasília

Andrea Pires

Blog Com Salto&Asas, um lugar onde compartilho memórias das viagens que mudaram minha vida, mas também inspiro mulheres que queiram experimentar a vida e sua própria companhia! Planejar, Sonhar e Realizar. Assim é que me sinto com o Mundo nas Mãos! Para contato direto comsaltoeasas@gmail.com

Cadastre seu e-mail

Tags

Adquira aqui seu e-book