terça-feira, 4 de setembro de 2018

terça-feira, setembro 04, 2018

MUDANÇA DE HÁBITO 1 - Como ter dinheiro para viajar?


Como é possível ter dinheiro para viajar, se está quase impossível manter-se no dia-a-dia com os rendimentos (seja de qualquer modelo de trabalho)?

Muitas pessoas me perguntam sobre isso!
Decidi abordar, sem nenhuma pretensão de convencer ninguém, sobre as mudanças que provoquei em mim mesma em alguns hábitos de consumo para conseguir manter minhas programações de viagens.

Uma coisa é certa: se eu ainda tivesse hoje o mesmo padrão de consumo que eu tinha até 2010, certamente eu estaria “falida” e sem nenhuma expectativa de viajar.
Vou conta minha experiência...

Sou da geração que desfrutou muito das oportunidades da estabilização econômica dos anos 90. Foi uma época de “ter”: carro novo, casa própria, bens materiais, ou seja, tudo que demonstrava um status social que estava inserido (ou pretendido). Naquela época, tudo era alto consumo. Claro que tive momentos prósperos antes da crise econômica. Sapatos, roupas, cosméticos e coisas supérfluas eram meu calcanhar de aquiles e eu tinha, na época, condições de colecionar uma infinidade desses produtos, na maior parte das vezes por puro desejo e exagero.
Aconteceu o que demoramos a entender: a crise econômica que se prolonga até os dias de hoje e que mexeu muito com o padrão de vida dos brasileiros.  
E como eu estava inserida? Total despreparo para me adaptar. Insistia em manter o mesmo padrão de consumo e ainda tentando viajar.
Logo comecei a sentir os impactos da crise econômica e percebi que o meu poder de compra foi diminuindo. Cada vez mais me deparava com uma vontade imensa de viajar, mas mantinha meus hábitos de consumo. Eu tinha em mente que não iríamos ter uma crise tão longa que causaria um problema tão sério na mudança de comportamento do brasileiro. 

Meu desafio era: como manter o meu desejo de viajar sem mexer no meu padrão de vida?
O problema não estava no meu padrão de vida, mas nos meus hábitos de consumo exagerados que me levavam a colecionar e acumular coisas desnecessárias.  Ou mudava radicalmente meus hábitos de consumo, ou teria que abrir mão de algo muito importante para mim: viajar!

Como fazer isso?
Lancei mão da minha capacidade de planejar e decidi mudar. Em etapas, vou contanto aqui como me readequei à uma nova realidade.

A primeira decisão: não acumular e desapegar!
Eu sempre gostei e tive uma atenção especial para coisas boas e de qualidade que foram sendo incorporadas à minha rotina, assim que pude tê-las no meu padrão financeiro. Marcas eram muito importantes para mim, já que, fruto do meu trabalho, almejei consumi-las. Além disso, eu tinha uma péssima mania de “estocar”.  Eu pensava assim: se o preço está bom, vou comprar logo 2. Estou falando de coisas que duram quase uma vida inteira, como maquiagem, roupas e sapatos e essa trilogia quebra qualquer mulher se não souber a melhor forma de consumir atualmente.
Comecei avaliando meu “acervo” e descobri uma infinidade de produtos vencidos de grandes marcas e sapatos e roupas nunca usados. Então eu decidi primeiramente:
1.    Usar tudo que tenho até acabar
2.    Conhecer novas marcas e pesquisar muito antes de comprar
3.    Buscar novas formas de aquisição: promoções e descontos e compras por internet
Existe um conceito de vida minimalista que admiro muito, mas ainda estou muito longe de chegar e que vem sendo difundido mundialmente, que me ajudou em partes. Minimalista sem comprometer a qualidade no meu dia-a-dia, já que viajar é meu foco, mas também tenho outras coisas a serem desfrutadas.  Como foi difícil começar! Precisei de disciplina e uma mudança mental de “preciso daquilo” para “ainda não preciso daquilo”.

Veja bem: eu não decidi parar de ter as coisas que gosto, mas planejar melhor quando e como adquiri-las.  Desde então pratiquei e percebi que tinha muito dinheiro “dentro do guarda-roupa” parado!

Cada vez que ia a um shopping center e me deparava com aquela invasão produtos maravilhosos que me levava a um desejo imenso de comprar, passei a me observar melhor e me questionar: preciso disso ou eh só um desejo ou fuga por algum motivo?
Mudar marcas e pesquisar mais, buscando sempre bons preços com qualidade compatível e conhecer novas opções, até mesmo prestigiar comercio de bairro e produtos e similares foram passos sequenciais.  Passei a acompanhar sites e blogs com as dicas das coisas novas que estavam entrando no mercado e aproveitava as viagens (SP, Goiânia, por exemplo) para comprar no preço melhor o que eu queria.
Tive que aprender a comprar por outros canais para economizar. Essa etapa foi mais difícil, pois sempre gostei muito da compra física e de pegar, de sentir, experimentar. Porém, alguns produtos eu comecei a namorar no e-commerce e descobri o mundo dos cupons de descontos!
Essa forma comprar com cupons de desconto tem-se multiplicado muito no Brasil e são uma grande opção para economizar em compra de serviços e produtos.  Pesquisei muitas plataformas, testei algumas e descobri o cupom valido, um site que reúne promoções e cupons de desconto em compras online, totalmente seguro e que divulga promoções e cupons. A compra ocorre diretamente no site da loja, os cupons são gratuitos e não precisa nem de cadastro para utilizar. Passei a adquirir produtos de marcas que gosto, a preços melhores, em épocas de descontos. Viu só? Nem tanto a terra, nem tanto ao mar: programar suas compras e usar bons canais. 
Em resumo é o seguinte:
Eu priorizo viajar, mas não abro mão de ter “minha qualidade” de consumo. Como ter os dois? Ajustando para a nova realidade os hábitos de consumo:

Para que acumular muito coisas que me dão prazer momentâneo, comprar por impulso um prazer de poucas horas? Será que realmente preciso daquilo? Se o sentimento se mantiver depois de 2 dias: volto, avalio a melhor forma de comprar e compro! Caso contrário, esqueço!

Quer uma sugestão? Coloca na ponta do lápis:
1.Quanto do seu rendimento mensal vai para itens como roupas, bolsas, sapatos, maquiagem e acessórios?
2.Quanto custa (em média) a viagem que você gostaria de fazer?
3.Se você comparar o valor da viagem com as compras relativas a esses itens, por um período de tempo, em quanto tempo você conseguiria realizar sua viagem?
4.Caso você fique alguns meses sem gastar tanto com os itens que “levam” parte do seu orçamento mensal e te impede de viajar, você passaria necessidade por falta de roupas, sapatos e maquiagem?

No próximo post vou falar da mudança de hábito 2!
Aguarde, mas comece já a sua mudança!

quinta-feira, 19 de julho de 2018

quinta-feira, julho 19, 2018

Viajando sem medo e com muita diversão! Um guia prático para quem quer viajar sozinha


“De que serve experimentar e aprender se não puder ajudar outras pessoas? ”
São mais de 15 anos de viagens!
Quantas histórias, momentos, dificuldades, descobertas, enfim...
Hoje, parece fácil falar sobre as viagens, mas acredite: cada viagem me trouxe uma dificuldade, uma dúvida, um receio e o medo da solidão.  Mas sabe o que conquistei depois de tudo isso: boas experiências, novos grupos e construí pontes por onde passei.
E compartilhando minhas experiências para que outras se inspirem, aparece sempre algo do tipo: “Para você é fácil, porque você já viaja sozinha”.
E eu digo: Sim! Mas eu comecei um dia.
Comecei com as mesmas duvidas, medos, receios, digerindo, ansiando e até desisti algumas vezes. E não tenho medo de revelar: ainda hoje bate uma insegurança quando decido ir sozinha.
E como minimizar tudo isso?
Por onde e como começar?
Eu levei mais de 15 anos para ir e vir com muito entusiasmo, segurança e diversão e porque não ajudar outras pessoas a reduzirem esse tempo de aprendizado?
Entendendo e decifrando as dúvidas, medos e anseios que muitas pessoas me colocavam sobre viagens solos, juntei tudo e coloquei minhas experiências no “Viajando sem medo e com muita diversão! Um guia prático para quem quer viajar sozinha”.
Esse e-book foi desenvolvido pensando em cada pessoa que um dia me perguntou sobre “como é? Como faz? Onde encontro? Por onde começar? Porque ir sozinha?  E também: como vencer o medo? Ainda traz experiências diversificadas, para todas as faixas etárias e todos os modelos de viagens.
Esse guia aborda cada etapa e as possíveis dificuldades de sair sozinha numa viagem, tornando motivador, divertido e inspirador aquele pensamento que ainda tem sido renegado a 2º. plano. O ComSaltoeAsas traz para você possiblidades de um caminho já trilhado e divertido para começar e agora, no formato e-book!
Com esse guia você poderá:
§  Entender seu momento e perfil para se preparar para ir numa viagem solo
§  Organizar sua perspectiva e limitações para ir com segurança
§  Planejar passo-a-passo desde o momento da decisão até a realização da viagem
§  Definir seu modelo de viagem de acordo com opções disponíveis do mercado
§  Organizar-se financeiramente para fazer seu sonho caber no seu orçamento

Porque não se trata de mostrar a volta ao mundo em destinos fantásticos, mas de compartilhar os diversos “pequenos” mundos que descobri viajando sozinha que podem ser muito adequados para seu momento de vida.
Viajando sem medo e com muita diversão, um guia prático para que quer viajar sozinha, vem exatamente ao encontro das dúvidas para as primeiras decisões, com muitos detalhes sobre cada etapa de uma viagem solo, planejamento e opções. Ele foi feito para você, como um livro de cabeceira que a gente dá uma olhada a noite e acorda com uma decisão importante: Voar!
Viajar é maravilhoso. Bem acompanhado é fantástico, mas romper as barreiras das incertezas e medos de viajar sozinha é imensurável.
Viajando sem medo e com muita diversão! Um guia prático para quem quer viajar sozinha foi feito para você e pode ser adquirido aqui! 
                                                                                  


quinta-feira, 12 de julho de 2018

quinta-feira, julho 12, 2018

MUDAR? MUDEI! MUDANDO ...


O ComsaltoeAsas foi criado em 2012 com o registro de viagens solo desde 2003, quando comecei a viajar sozinha.
A marca atual retrata um momento de vida muito especifico que conversava com mulheres que, como eu, estavam na faixa dos 30 anos e recomeçando momentos de vida: âmbito pessoal e profissional.
As viagens solo começaram como uma forma de encontrar outros significados e ter experiências que me ajudassem a conduzir um modelo de vida pessoal independente de companhias. Viajar sozinha não era a única opção de viajar, mas era uma iniciativa de não ficar sem viajar por falta de companhia.
A primeira viagem solo foi para Espanha e esse destino que me levou à voos mais longos em todas as perspectivas de vida.  Retornei à Espanha 5 vezes.  A cada vez, um novo olhar, uma nova descoberta e a certeza que sempre há um lar fora do lar.
Ser viajante é descobrir que os mesmos lugares mudam, você muda ou, na verdade, o tempo te dá sempre um novo olhar. Mudar é inevitável e certo. Resistir ou desfrutar é escolha.
Quando fui ao Chile fiquei muito tempo sozinha. 
Sentia muito por não ter com quem compartilhar tanta beleza e o Chile me marcou na solidão e me mostrou que experiências são as melhores coisas que se pode trazer de um destino.
Depois de algumas viagens, a vontade de inovar e ir mais longe foi aumentando! Queria algo bem diferente e impactante para me testar. Fui à Turquia apavorada e voltei encantada. Me encantei comigo mesma, minha capacidade de realizar e com tudo que aprendi. Sua história, seu povo, suas dores e a importância de entender uma cultura tão diferente da minha.

 Depois fui à Itália e descobri que viajar sozinha não quer dizer estar sozinha. Lá conheci 2 outras mulheres viajando sozinhas e companheiras de viagens solo, fizemos pontes, compartilhamos bons momentos e nos tornamos companheiras de vida e descobertas. Aos poucos fui me tornando mais viajante. O que antes era apenas viajar sozinha para algum lugar foi se convertendo em pontes construídas naturalmente. Conversar, conhecer, perguntar, desbravar.


Tornei-me mais companheira para mim e para outros. Novos motivos para viajar, novos grupos sociais e já não era assustador “experimentar” o novo e descobrir afinidades.  Se viajar sozinha para já turismo era bom, imagine viajar para praticar um hobby com o grupo de afinidade?  E se o destino for totalmente inusitado? Melhor ainda. Ushuaia e El Calafate surgiram para uma corrida de aventura com um grupo especial de novos amigos, quando entrei para uma assessoria de corrida. E isso só foi possível porque eu me permiti novas experiências, criando novas oportunidades de amizades.
O habito de descobrir já estava inerente ao meu dia-a-dia. Poderia ser um país novo ou sair para um lugar perto.  Comecei a olhar ao redor. Se eu posso viajar sozinha rumo ao desconhecido, eu posso viajar bem e sozinha rumo ao conhecido. Seguia viajando pela vida, mesmo quando estava no meu lugar comum. Morei um tempo no Rio Grande do Sul e conheci lugares que transformaram minha forma de ver a vida!  Pequenas fugas de fins de semana e encontrar um mundo desconhecido repleto de “novas vidas”: Cambará do Sul e São Migueldas Missões foram desbravadores e apaixonantes. 
E o ComSaltoeAsas representava bem essas questões que foram sendo descobertas e me redefinindo como viajante, como mulher, como amiga, irmã, filha...
Um salto alto imponente e determinado com asas. Demonstra elegância, estilo, leveza, porém pouco movimento. As asas são sutis.
Ao longo desses 15 anos, a evolução era incontestável e meu perfil de viajante mudou. Adquiri mais confiança e as minhas necessidades eram por mais simplicidade e leveza: liberdade.
Não cabia mais uma urgência de “mostrar capacidade” e “ocupação de um espaço”, mas uma vontade de compartilhar a liberdade de escolha e a flexibilidade de ir e vir sem medos e restrições. Não era mais uma questão de “força” e sim “determinação”. 
 Hoje me vejo com menos salto e mais asas. Menos terra e mais ar. Menos “posicionar e defender” e mais “ser e praticar”.  A caminhada abriu outras portas a partir das experiências de viagens e o ComSaltoeAsas não é mais somente sobre viagens solo, mas sobre “mudar, reconstruir, reinventar e também, viajar".

Antes, viajar era apenas para me testar mais longe e sozinha, mas agora é uma questão de dosar minha velocidade e ansiedade em trilhar por onde não há trilhas ainda!
Os saltos eram para mais longe e de passos mais largos. Fui percebendo que para isso precisava estar mais leve. Precisei esvaziar.  
Já não me cabia tanto o “salto” que me dava um espaço seguro em “terra firme”, mas necessitava de abrir mais as “asas” . O Peru foi um destino decisivo para essa mudança!  Não carregue peso! Caminhe sempre. Ouça, observe, reflita. Transforme o que não serve mais. Livre-se de sentimentos que não somam, abrace a vida com simplicidade. Mude!
E o salto ainda tá lá com mais delicadeza. Ele me dá a terra quando preciso e me impulsiona quando deve. E as asas tornaram-se mais presentes, tem mais direção, mais força e me levam para mais longe.
E sabe aonde encontrei a certeza de que não há limite e nem tempo para mudar?
Lá na casa da ponte, aonde Dona Cora, na Cidade de Goiás, recomeçou.
E por isso o ComSaltoeAsas mudou. E para mudar, há que que se recriar, sempre, sempre.
E assim começa um novo ciclo de vida, de experiências e autoconhecimento.  Não falo mais com “convicção” do que é melhor ou pior para empreender uma viagem solo. Sabe porquê? Porque muitas convicções nos paralisam e nos cegam de outras possibilidades.

O ComSaltoeAsas agora quer falar de opções e liberdade para você escolher a “sua” forma de viajar, de acordo com seu momento de vida, seu perfil, seus desejos. Medos e insegurança são resolvidos aos poucos. Cada um tem um tempo de decisão.
  
O caminho que o ComSaltoeAsas trilhou até o momento contempla toda uma história de vida pessoal que hoje concentra formas flexíveis de se planejar e decidir, mais do que sugerir um único roteiro, numa única forma de viajar.

Seja bem-vinda à mudança e que você encontre seu lugar nesse novo momento do ComSaltoeAsas.  O que mais aprendi nesses 15 anos de viagens?
Mudar.




Visite Brasília

Andrea Pires

Blog Com Salto&Asas, um lugar onde compartilho memórias das viagens que mudaram minha vida, mas também inspiro mulheres que queiram experimentar a vida e sua própria companhia! Planejar, Sonhar e Realizar. Assim é que me sinto com o Mundo nas Mãos! Para contato direto comsaltoeasas@gmail.com

Cadastre seu e-mail

Tags

Adquira aqui seu e-book