quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

quinta-feira, janeiro 04, 2018

(Re) conhecendo nosso Rio de Janeiro - SANTA TERESA – RJ

O Rio de Janeiro tem um mundo de história em cada esquina, porém muitos turistas se concentram na zona sul por motivos óbvios: praia e paisagem que deixa qualquer pessoa sem ar! Quem nunca ouviu comentários sobre a beleza estonteante do Rio em ter o mar e montanhas numa mesma vista? Concordo plenamente. 
Mas tem uma coisa que não deixo passar por nada em cada viagem:  as histórias que cada lugar me conta! Que batalhas, dores, descobertas, amores e paixões esses locais me trazem na memória? E o Rio tem histórias que merecem ser (re) lembradas, (re) conhecidas, exploradas e compartilhadas. ComSaltoeAsas foi nas origens que contam sobre a nossa colonização e todas influências culturais, políticas e sociais, e porque não dizer até “emocionais?
Rio de Janeiro, capital do Império, desde que D. João parte de Portugal para o Brasil em rota de fuga por causa da invasão das tropas Napoleônicas. A colônia tornou-se sede do Governo de Portugal em 1808 e assim o Rio foi se transformando sob forte influência portuguesa, nossas raízes africanas e no seio de uma turbulência de encontros e desencontros culturais. Transferir a corte para o Brasil era transferir também costumes, valores, educação, crenças. A intensidade dessa ocupação está em cada pedaço deste chão.

O bairro de Santa Teresa é parte de tudo isso. Conhecido como um bairro de classe média alta, famoso desde séc. XIX principalmente pelas casas elegantérrimas de inspiração francesa. Pelas ruas do bairro é possível sentir a história viva e com a elegância de ter o bonde como meio de transporte!
O bairro começou com o convento “Santa Teresa” no séc. XVIII e também com a vinda de famílias nobres e ricas para região.  O bonde mesmo surgiu em 1872 e fiquei sabendo que a cor era verde mas foi substituída pelo amarelo porque os moradores diziam que o bonde se confundia em meio à vegetação e muitos não o viam se aproximar causando acidentes e contratempos.
Hoje o bairro é ocupado por intelectuais, acadêmicos, artistas e pessoas que buscam essas características históricas e culturais, além da qualidade de vida que proporciona.  Famoso pela gastronomia e boemia, considerado uma das principais atrações turísticas e carinhosamente apelidado de “O Montmartre carioca", uma alusão ao bairro francês!
Esse roteiro apaixonante me foi apresentado por um projeto de turismo da cidade chamado Revelando o Brasil. Esse projeto tem mais de 15 mil seguidores no Facebook onde é feita toda a divulgação e agenda das atividades. Surgiu em 2016 a partir do encontro de guias de turismo apaixonados pela cidade do Rio que trouxeram um modelo já conhecido na Europa chamado free walking tour. A ideia é proporcionar roteiros instigantes, curiosos, apaixonantes e cheios de histórias peculiares. E cá entre nós: conhecer a história do Brasil é muito difícil com tantos detalhes! Mas o Revelando o Brasil é “expert” nisso!
O tour começa bem cedo no Largo da Lapa, ali ao lado da sala Cecília Meireles com vista para Igreja Nossa Senhora da Lapa do Desterro. Após uma breve apresentação da Guia de Turismo (com aquela simpatia inerente ao carioca), seguimos pela Rua Teotônio Regadas e avistamos os grafites Selarón e outros artistas. A sensação é estar entrando num filme de época.
Ela aparece belíssima, como se fosse um grande tapete colorido, onde o vermelho se destaca ao percorrê-la: Escadaria Selarón (que também era conhecida por escadaria do Convento de Santa Teresa) é uma obra de arte criada pelo artista chileno radicado no Brasil, Jorge Selarón, em "homenagem ao povo brasileiro". 

















quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

quinta-feira, dezembro 28, 2017

ESCOLHENDO UM DESTINO PARA VOCÊ !

E vamos seguindo com as dicas sobre planejamento de viagem! parceria super bacana do ComSaltoeAsas e BemSeparadas. 

Lembrando que se você ainda não começou a acompanhar a série de vídeos do ComSaltoeasas, seguem os links :
- ACABE COM O MITO "MULHER NÃO VIAJA SOZINHA"- assista aqui!
- AINDA PENSANDO COMO VIAJAR SOZINHA?  - 5 dicas para começar a viajar! assista aqui!

E agora, que você ja sabe que "pode" e "tem que ir" num voo solo, precisa acertar a mão no DESTINO, correto? E como decidir para onde ir?
Decidir um destino é se envolver com a experiência em todos os  âmbitos. Principalmente para uma viagem tão sonhada e desejada. Pensar com cuidado, avaliar as opções e escolher um destino que representa seu momento de vida. Vamos começar colocar essa ideia em pratica ?

Assista





Acesse o www.bemseparadas.com.br para conhecer um projeto muito especial para mulheres que querem se desafiar.




domingo, 10 de dezembro de 2017

domingo, dezembro 10, 2017

A cidade que tem vida nas Asas! - BRASILIA-DF


Brasília recebe cada dia mais viajantes à negócios de todos os lugares e à primeira vista pode parecer que a cidade seja apenas o centro da capital, especificamente Setor Hoteleiro Sul e Norte, onde hotéis se aglomeram uns ao lado dos outros com opções de shoppings centers, acesso à Esplanada dos Ministérios e de pontos turísticos arquitetônicos. Muitos se restringem a ir e voltar para a região do setor hoteleiro como uma rotina normal no período de permanência na cidade. Mas o Visite Brasília e ComSaltoeAsas em parceria com a Room5 do Trivago quer mostrar a cidade que tem asas! Lugar onde o brasiliense trabalha, vive e desfruta de uma rotina como qualquer cidadão de uma cidade grande. O mapa da cidade é um avião e as asas são onde as pessoas da cidade circulam no dia-a-dia, inclusive, acessando outros bairros tão urbanos quanto o centro da capital. É uma cidade cosmopolita e em função da sua organização urbana deixa pouco perceptível todas tribos e culturas que a permeiam e que estão abertas para quem quer experimentar.

A dica para quem vem à trabalho por uns dias é se hospedar nos hoteis que a Room5 do Trivago recomenda e conhecer a cidade simétrica que aparentemente é igual em tudo. Engano! Tem simetria sim, mas cada lugar tem suas peculiaridades que precisam ser descobertas e uma cidade que pulsa boas energias.


Aquela cerveja geladíssima e descontraída com a boa conversa de fim de tarde? A cidade tem bares tradicionais que contam a sua história de vários sotaques! Brasília é um pequeno Brasil, assim como tem boas surpresas: um pedaço do mundo em vários cantos da cidade, escondidos nas entrequadras. O Beirute (na Asa Sul e Asa Norte) é um deles, considerado uma relíquia cultural e frequentado por um público bem variado onde todos têm espaço garantido. É fácil fazer amigos no Beirute. Inaugurado em 1966 é famoso pelo Filé à Parmigiana e petiscos árabes, acompanhados da cerveja bem gelada e da simpatia dos garçons com seus smokings vermelhos. Tem também aquele boteco que oferece uma carne de primeira, e claro, a cerveja gelada. Dizem que é o melhor filé da cidade: o Faisão Dourado na 314 Asa Sul tem muitos simpatizantes e o respeito do brasiliense! As mesas mais concorridas estão na área verde, no fundo do bar, entre as árvores.

Para quem quer algo diferente, as opções de cafés e bistrôs contrapõem os botecos com a mesma simpatia, que se tornaram os queridinhos dos brasilienses. Na esquina da 104 norte, o Daniel Briand é considerado patrimônio da cidade. Foi o primeiro café e bistrô francês a ser aberto. Cardápio de delicias francesas que podem ser calmamente escolhidas, acompanhadas de um bom vinho ou espumante. E não tenha pressa de ir embora. É um lugar para ficar e relaxar, assim como se faz nos cafés em Paris. Na 115 sul, o L’Amour du Pain, uma boulangerie artesanal, também oferece um ambiente francês, com um bom atendimento. No jardim do L’amour é onde o brasiliense, ao estilo francês, marca encontros nos fins de tarde para curtir o ar fresco da entrequadra.


Em restaurantes a lista é imensa, com multiplicidade de gastronomia. E se a procura é por um restaurante que pode surpreender, Brasília também tem! Quem nunca ouviu falar da simpatia da chef Mara Alcamim e o Universal Diner na 210 sul? Parada obrigatória para quem vem na cidade. Inaugurado em 1997, é um marco na gastronomia da capital federal. Universal Diner é bar, café e restaurante num lugar só. A decoração é uma diversão a parte. Não segue um conceito único e o cliente pode ficar horas identificando cada item e lembrando de várias décadas. E para achar é fácil, é só procurar um fusca na parte superior da fachada do restaurante (isso mesmo: um fusca pendurado!). O bar é uma opção bem na entrada onde a conversa acontece facilmente. E se a Mara aparecer cheia de alegria e ainda escolher uma play list bem animada, ninguém fica parado.  

A Asa Norte é um celeiro de surpresas! O indiano que está fazendo muito sucesso, bem ali na 109 norte, uma quadra cheia de boas opções gastronômicas, se destaca já na fachada pelo nome Indian House Culinaria Indiana & Bar. A comida é muito tradicional e saborosa, opções para vegetarianos e uma trilha sonora bem típica. Um pedaço da Índia na esquina da 109 norte.
Seguindo a diversidade, o Nola Gastrobar é uma experiência inusitada. Sair de um dia cheio de trabalho para ouvir um bom jazz, com vinho, drink ou cerveja e saborear a gastronomia de New Orleans, bem num cantinho da 408 Norte, tudo inspirados na cultura e atmosfera de New Orleans. E uma das descobertas mais interessantes recentemente é o IVV Swine Bar na 314 norte! Aberto em 2016 é um clube de vinhos diferente, para os amantes de vinhos com comidinhas chiques sem frescura. A gastronomia é baseada em suínos que são acompanhadas por uma carta de vinhos para todos os gostos. Tudo acontece ao redor do balcão ou nos caixotes que funcionam como espera de mesas a serem desocupadas. Tem que chegar cedo porque a procura é grande.


Mas se a ideia é buscar opções musicais, pertinho do setor Hoteleiro Norte e Sul, o Clube do Choro oferece shows e apresentações de artistas da cidade e de fora e tem ali um ponto cultural carro-chefe da cidade.  Seguindo para a Asa Norte, o Feitiço Mineiro na 306 norte é um orgulho da cidade e famoso pela culinária mineira no fogão a lenha, além da decoração que remete ao estilo casario mineiro. Tem programação musical que vai do MPB, Bossa Nova, Jazz e Rock e outros. Não se surpreenda se algum artista mineiro famoso estiver na cidade e passar lá para uma pequena apresentação. Esse é o lugar perfeito para uma boa “prosa”. E na 6ª. Feira, a roda de choro e samba começa cedo no Armazém do Ferreira na 202 norte com aquela feijoada de almoço. Antes de ir embora da cidade, um almoço mais alegre e mais esticado é a melhor forma de voltar para casa, como toda 6ª. Feira merece!

"Esse texto (aqui completo) foi publicado parcialmente como referência da cidade pelo blog Room5 do Trivago, com boas recomendações de hospedagem para executivos(as), em parceria com o Visite Brasilia."

Acesse o link e descubra como se hospedar em Brasilia 




Visite Brasília

Andrea Pires

Blog Com Salto&Asas, um lugar onde compartilho memórias das viagens que mudaram minha vida, mas também inspiro mulheres que queiram experimentar a vida e sua própria companhia! Planejar, Sonhar e Realizar. Assim é que me sinto com o Mundo nas Mãos! Para contato direto comsaltoeasas@gmail.com

Cadastre seu e-mail

Tags

Guias Recomendados